Homem é preso com R$ 1,6 milhão em ouro no aeroporto de Brasília; peças foram pintadas para disfarçar

Nota não convenceu fiscais, e tinta prateada descascou. PF investiga ligação com garimpo ilegal.

Por Ana Paula Andreolla, TV Globo

Peças de ouro apreendidas no Aeroporto Internacional de Brasília; tinta para disfarçar metal descascou (Foto: TV Globo/Reprodução) Peças de ouro apreendidas no Aeroporto Internacional de Brasília; tinta para disfarçar metal descascou (Foto: TV Globo/Reprodução)

Peças de ouro apreendidas no Aeroporto Internacional de Brasília; tinta para disfarçar metal descascou (Foto: TV Globo/Reprodução)

A Polícia Federal prendeu, no último dia 9, um homem que tentava viajar para Belo Horizonte (MG) com 11 quilos de ouro em uma mala. O suspeito conseguiu embarcar em Boa Vista (RR), mas foi interceptado durante a conexão do voo no Aeroporto Internacional de Brasília.

Segundo a PF, o dono da mala – um empresário com negócios em Minas Gerais e em Roraima – chamou a atenção dos investigadores, que decidiram submeter a bagagem a um exame de raio-X.

De acordo com a perícia, o ouro apreendido tem alto grau de pureza, e a carga é avaliada em R$ 1,6 milhão. O homem chegou a apresentar uma nota fiscal, mas o documento não convenceu os policiais.

O delegado da PF responsável pelo caso, João Quirino, afirma que o suspeito derreteu, moldou e pintou o metal na tentativa de enganar os fiscais. A ideia era simular peças usadas na construção civil. No aeroporto, a tinta saiu na mão dos investigadores.

“Ele pegou esse ouro e derreteu em pequenas peças metálicas, iguais a uma peça que realmente existe, mas que não é feita de ouro.”

Até as 19h desta terça, o empresário continuava detido na Superintendência da Polícia Federal em Brasília. Ele vai responder por lavagem de dinheiro e usurpação de bens da União. A pena combinada pode chegar a 15 anos de prisão. O G1 e a TV Globo tentam contato com a defesa do homem.

Peças de ouro apreendidas com empresário no Aeroporto Internacional de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução) Peças de ouro apreendidas com empresário no Aeroporto Internacional de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

Peças de ouro apreendidas com empresário no Aeroporto Internacional de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

Garimpo ilegal

Até a tarde desta terça (17), a PF ainda investigava a origem do metal precioso. O suspeito tem uma empresa de cobrança em Boa Vista e uma joalheria em Belo Horizonte. No depoimento à PF, ele preferiu ficar calado, e disse que “seria morto” se passasse qualquer informação.

“A investigação ainda é incipiente, mas a gente acredita que esse ouro tenha vindo de garimpos ilegais lá da região de Roraima, das terras yanomami”.

“A investigação vai prosseguir para tentar identificar esses garimpos, esses garimpeiros. Tanto a origem, quanto o destino desse ouro”, diz Quirino.

Veja mais notícias da região no G1 DF.