Atrasados, equatorianos, reforço e CT: pagamento por Richarlison alivia o Flu

Tricolor receberá à vista os R$ 23 milhões pela venda do atacante ao Watford, da Inglaterra, dinheiro com destino definido. Difícil situação financeira deve obrigar o Tricolor a negociar mais um atleta

Por Edgard Maciel de Sá e Hector Werlang, Rio de Janeiro

Na melhor oferta recebida, o Fluminense decidiu vender Richarlison. Mas não foram apenas as condições oferecidas pelo Watford, da Inglaterra, como o pagamento à vista e o repasse de 10% de uma futura venda do atacante, que sensibilizaram a direção tricolor.

A não concretização da transferência de Wellington Silva ao francês Bordeaux tornou a difícil situação financeira em insustentável. O Arsenal, com preferência na recompra, pagaria US$ 4 milhões (R$ 13 milhões) e o repassaria ao time francês, que declinou após os exames médicos no atacante.

Richarlison defendeu o Flu em 69 jogos e marcou 19 gols. A última partida foi contra o Universidad Catolica de Quito (Foto: André Durão/GloboEsporte.com) Richarlison defendeu o Flu em 69 jogos e marcou 19 gols. A última partida foi contra o Universidad Catolica de Quito (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)

Richarlison defendeu o Flu em 69 jogos e marcou 19 gols. A última partida foi contra o Universidad Catolica de Quito (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)

Sem esse dinheiro, era preciso ter receita extra para, especialmente, pagar os quase três meses de direitos de imagem e premiações atrasados dos atletas (a folha total é de cerca de R$ 7 milhões) e a parcela das compras de Orejuela e Sornoza ao Independiente del Valle (R$ 3,1 milhões). A tática fazer jogo duro, como as recusas das ofertas de Ajax e Palmeiras, ambas parceladas, e esperar a proximidade do término da janela de transferências, para lucrar o máximo possível, teve de ser deixada de lado.

Os R$ 23 milhões (metade a que o Flu tinha direito no negócio) têm como destinação ainda quitar dívidas com empresários e, claro, buscar reposição ao time. Pequenas melhorias, demandadas pelo futebol, serão feitas no CT. O presidente Pedro Abad explicou qual o planejamento:

– Vamos utilizar o recurso para quitar as pendências que a gente tem com o elenco. Um ou outro compromisso dentro da administração do clube. A gente ainda vai analisar qual o valor que vai sobrar para podermos repor a saída dele – destacou o presidente Pedro Abad.

Robinho, do Figueirense, é um dos alvos do Flu. Ele teve a contratação analisada na época da negociação de Wellington Silva com o Bordeaux.

Mesmo com o alívio, a situação financeira inspira cuidados. O défict previsto no ano é de R$ 75 milhões. O clube estuda alternativas de ampliar receita e diminuir despesas, mas deve ter de vender mais um jogador.